III SIMPÓSIO DE IRRIGAÇÃO – TECNOLOGIAS DE AUTOMAÇÃO

No dia 02/10/2015, o GPID junto ao GELQ (Grupo de Estudos Luiz de Queiroz) realizaram o III Simpósio de Irrigação que este ano teve a temática de Tecnologias de Automação. O evento contou com a presença de cerca de 50 participantes, sendo agricultores, alunos de graduação e pós-graduação e profissionais da área de irrigação.

O dia do evento foi divido em 7 palestras ministradas por professores e profissionais da área de irrigação.

A primeira palestra foi proferida pelo Profº Dr. Roberto Testezlaf (FEAGRI/UNICAMP) com o tema “Automação de Subirrigação em Ambientes Protegidos”. O professor apresentou os principais sistemas de subirrigação e automação utilizados em estufas, destacando parâmetros operacionais que os viabilizam aliando-os com resultados de pesquisas científicas.

Em seguida, o Engº Agrônomo Fábio Antônio Cagnin Filho (COOPERIDEAL e IRRIGARURAL-Insumos e Sistemas Irrigados) apresentou o tema “Automação em Aspersão Convencional” destacando a importância da automação na redução dos custos com mão de obra e com energia elétrica.

Na sequência, o Profº Dr. Rubens Coelho (ESALQ-USP) ministrou a palestra com o tema “Automação em irrigação localizada com enfoque em cultivos protegidos”, onde destacou a importância de escolher o gotejador adequado e de marca idônea para o sistema de irrigação em função da qualidade da água disponível, uma vez que a escolha errada do emissor pode reduzir a uniformidade de aplicação do sistema.

Após o almoço, o Engº Eletricista Aldo Baum (Fockink) ministrou a palestra com o tema “Automação em Pivô Central”, apresentando o Pivô “Supremo” da Fockink que traz como inovação o deslocamento ininterrupto de todas as torres do pivô e o sistema de bombeamento EcoPump que regula a potência do Pivô em função da declividade em que opera.

A quinta palestra do dia foi proferida pelo Engº Agrônomo Vinicius Maia Costa (Lindsay) que apresentou o tema “Automação aplicada ao manejo de irrigação em pivô central”, destacando o software em nuvem FieldNet da Lindsay que permite o controle remoto dos pivôs, moto bombas e demais sensores adjuntos, como estações meteorológicas, pluviômetros e sensores de umidade do solo.

Em seguida, o Engº Agrônomo Leonardo Mina Viana apresentou o GIFC (Grupo de Irrigação e Fertirrigação de Cana de Açúcar), uma associação se fins lucrativos e apolítica que reúne produtores e empresas fabricantes de produtos e subprodutos derivados da cana de açúcar. Também são criadores do “Projeto Cana Pede Água” que tem como objetivo divulgar os benefícios da irrigação da cana.

Por fim, o Engº Agrônomo Alexandre Gaib (SUPROSER Irrigação) apresentou dois estudos de caso de automação na irrigação: um em pomar de citrus e outro em produção de tomate em estufa.

A realização deste evento não teria sido possível sem o patrocínio da Lindsay, Suproser Irrigação, GIFC e MBA Pecege; e também sem o apoio do INCTEI (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Engenharia da Irrigação), ASPIPP (Associação do Sudoeste Paulista de Irrigantes e Plantio na Palha), Alezi Teodolini, Esalq Jr. Consultoria, Casa do Produtor Rural, Fundação Agrisus, Agrolink e Revista Irrigazine.

SAMSUNG

SAMSUNG

As palestras podem sem conferidas na íntegra pelo site:
http://www.gelq.com.br

Participação do GPID à Feira de Agricultura Familiar (AGRIFAM) 2015

No dia 02/08/2015, o GPID teve a oportunidade de participar da Feira de Agricultura Familiar (AGRIFAM) que neste ano ocorreu no município de Lençois Paulista/SP. O objetivo do GPID nesta visita foi apresentar ao público presente as atividades desenvolvidas para os produtores, dentre elas: auxílio no desenvolvimento de projetos e manejo da irrigação, licensiamento para uso da água (outorga), verificação da uniformidade de apliação da água em sistemas irrigados, dentre outras.

Neste ano, a feira recebeu cerca de 30 mil visitantes ao longo dos três dias de duração, que contou com a participação de diversas empresas do ramo agrícola que ofereceram produtos e serviços aos produtores familiares, tais como: empresas de máquinas e implementos agrícolas, venda de animais, serviço do Banco do Brasil apresentando linhas de crédito aos produtores, empresa de irrigação, SEBRAE, EMBRAPA, secretaria do meio ambiente (auxiliou os produtores no cadastro ambiental rural – CAR), faculdades e universidades, empresas de viveiros, dentre outras.

Durante a feira foi oferecido aos participantes diversas palestras que envolviam temas de mercado de compras públicas da agricultura familiar, genética animal, construção de uma cooperativa, linhas de crédito à agricultura familiar (PRONAF), produção alimentos orgânicos, habitação rural e agricultura de precisão. Também foram oferecidos serviços sociais tais como: corte de cabelo e cursos de maquiagem, emissão de carteira de trabalho, serviços de saúde, cadastramento de candidatos à vaga de emprego, cursos de culinária etc. Destaca-se também a ocorrência do “Concurso Inventor Rural” em que os candidatos tiveram a oportunidade de apresentar ao público invenções que visam facilitar o trabalho no campo. Os vencedores ganharam troféus e prêmios em dinheiro.

O GPID pode receber cerca de 30 pessoas, dentre elas produtores rurais e moradores da cidade. A experiência foi muito interessante, uma vez que nós e os demais grupos de extensão tiveram a oportunidade de expor a ESALQ à cominidade como produtora de conhecimento e prestadora de serviços. Parte dos visitantes não tinham conhecimento da existência da escola, tão pouco dos serviços que dispúnhamos à população.

O contato com o produtor rural familiar também foi interessante por podermos ter a possibilidade de trocar informações não somente da área de irrigação em que atuamos, mas também de outras áreas. Pudemos também perceber nesta interação que o agricultor familiar de baixa renda tem pouco ou nenhum acesso à informação, o que mostra a carência do serviço público em transmiti-la e a importância da presença das universidades e faculdades na transmissão do conhecimento.

Os principais pontos fortes desta feira foram a possibilidade do agricultor familiar ter contato in loco com os principais produtos, serviços e informações disponíveis. Entretatno, cremos que faltou maior divulgação da própria feira no contexto regional e nacional que possibilitasse a vinda de um número maior de agricultores, uma vez que a maioria dos visitantes eram moradores da cidade e região. Talvez seria interessante que os municípios, na figura das secretarias da agricultua locais, pudessem oferecer tranporte público gratuito até a feira que possibilitasse a vinda de um número maior de produtores, uma vez que a maioria é de baixa renda.

Por fim, conclui-se que a AGRIFAM 2015 cumpriu seu papel como divulgadora de produtos e serviços aos agricultores. A participação dos grupos como extensão da universidade nesta feira também foi de fundamental importância para divulgação do conhecimento disponível na universidade, devendo ser repetida nos próximos anos.

11230908_910613772333943_7200870942930146862_n

SAMSUNG

SAMSUNG

SAMSUNG

SAMSUNG

SAMSUNG

SAMSUNG

Visita à Fazenda Nata da Serra

Na quinta-feira, dia 11 de dezembro de 2014, o Grupo de Práticas em Irrigação e Drenagem realizou uma visita técnica à fazenda Nata da Serra, localizada na cidade de Serra Negra, São Paulo.

O grupo foi recebido pelo proprietário, o engenheiro agrônomo Ricardo Schiavinato, e inicialmente houve uma confraternização onde todos puderam saborear alguns dos produtos feitos na propriedade e então o proprietário fez um breve relato do histórico da propriedade e suas dificuldades para conseguir atingir o sucesso observado atualmente.

A fazenda Nata da Serra é uma propriedade agroecologica, certificada, que tem como principal produto laticínios provindos de seu rebanho leiteiro, porém, produzem também algumas hortícolas, morango, café e mel todas manuseadas no sistema orgânico, a propriedade possui também alguns tanques para piscicultura. O proprietário guiou o grupo pelas dependências da fazenda mostrando toda sua estrutura.

No final da tarde e na última etapa da visita foi realizado um teste de uniformidade do sistema de aspersão da fazenda. O teste foi realizado posicionando recipientes com espaçamento pré-determinados em um quadrado, o qual os vértices eram os aspersores. Então o sistema foi ligado e funcionou por 40 minutos e o conteúdo dos recipientes medido para verificar se havia uniformidades em todos os pontos selecionados.

10850165_839015092822757_6132666409582613268_n

Treinamento 2014

Durante a semana de 08/12 à 12/12 foi dado continuidade ao treinamento dos novos membros do grupo. O treinamento foi realizado em três dias e abordou os seguintes temas: Qualidade da água para irrigação, Dimensionamento de Sistemas de Aspersão convencional e dimensionamento de Sistemas de Pivô Central.

 Qualidade da água

Na manhã de terça-feira (09/12), o tema apresentado aos membros da seleção 2014  do GPID foi sobre qualidade da água, sendo apresentados os parâmetros para medir a qualidade, como níveis e teores aceitáveis de sais, condutividade elétrica, quantidade de sedimentos, dentre outras variáveis para determinados usos e finalidades. Posteriormente foi coletada amostra de água de diversas partes do departamento e levadas para análise ao laboratório. No laboratório realizou-se a parte prática do treinamento, os membros puderam ver como são feitas as análises, desde procedimentos até o resultado, equipamentos e técnicas utilizadas.

 

Dimensionamento de Sistemas de Aspersão Convencional

A partir da 16:00 h de quarta, o Prof. Dr. Fernando Campos Mendonça, orientador do GPID, deu uma aula de enfoque prático sobre o dimensionamento de um projeto de aspersão, no treinamento foi dimensionado um projeto por inteiro, e ao final do projeto foi ensinado como dividir o sistema de irrigação em setores de funcionamentos diferentes para fins de pastejo rotacionado, ou sistemas de produção onde existam diversos setores em estágios diferentes de necessidade hídrica, e concluiu a aula mostrando como a escolha de diferentes materiais em um projeto, como por exemplo tubos de diâmetros diferentes, ou aspersores com vazões diferentes, influenciam na energia gasta pelo motor e posteriormente no consumo de energia.

 

Dimensionamento de Sistemas de Pivô Central

No dia 12 de dezembro de 2014 os alunos ingressantes no grupo de Irrigação e Drenagem receberam treinamento sobre Dimensionamento de Sistemas de Pivô Central.

Na aula foram realizados cálculos para determinação das especificações de um determinado projeto de pivô central. Foram determinados:

  • Raio a ser irrigado
  • Comprimento lateral até o último emissor
  • Distância até a ultima torre
  • Raio da área básica
  • Área básica a ser irrigada
  • Vazão necessária à área básica
  • Número de emissores sobre a lateral
  • Seleção do canhão
  • Raio efetivo do canhão
  • Área alcançada pelo canhão
  • Raio de alcance do canhão
  • Vazão total do sistema
  • Vazão de cada emissor
  • Vazão em cada trecho
  • Perda de Carga
  • Área e Diâmetro do bocal

Estas aulas fizeram parte de uma série de cursos ao qual o aluno que tem a intenção de participar do grupo deve assistir. O treinamento é ministrado por membros efetivos do grupo, que dispõe de domínio do assunto buscando transmitir seu conhecimento.

10850763_627655624005352_637293298_n

 

Atividades desenvolvidas na Fazenda Araquá

Na segunda-feira (dia 08/12), foram desenvolvidas atividades na Fazenda Araquá, localizada no município de Charqueada – S.P.

A fazenda Araquá conta com um grande rebanho de gado de elite das raças Gir e Girolando, porém, vem enfrentando alguns problemas com relação ao fornecimento de água a seus animais. Devido a grande extensão de suas terras, a fazenda conta com poucos pontos de água para oferecimento ao seu rebanho. O Grupo de Práticas em Irrigação e Drenagem (GPID) foi chamado até o local para tentar resolver o problema de abastecimento de água em todos os piquetes.

As atividades começaram com a visualização dos pontos mais altos da fazenda. Isso porque, a ideia inicial é a de conseguirmos bombear a água para essas partes mais altas, e redistribuí-la para o restante da fazenda somente por gravidade, sem gasto nenhum de energia.

Após encontrarmos os locais mais altos, marcamos perfis planialtimétricos entre esses pontos e os locais de captação de água (lagoas), para sabermos a diferença de nível desses pontos e a distância entre eles para dimensionamento da tubulação.

Também realizamos coletas de amostras de solos nos piquetes, para realizar a análise química para que nós possamos recomendar ao produtor a adubação adequada de suas pastagens. Após a implantação desse projeto de fornecimento de água, será também realizado um projeto de irrigação de pastagens em alguns dos piquetes, para garantir melhor qualidade da forragem, maior crescimento e uma produção animal mais eficiente.

 

fazenda araquá

II Simpósio de Irrigação – Tecnologias em Fertirrigação


Nos dias 8 e 9 de outubro, o Grupo de Práticas em Irrigação e Drenagem (GPID) e o Grupo de Estudos Luiz de Queiroz (GELQ), realizaram o II Simpósio de Irrigação – Tecnologia de Fertirrigação. O simpósio fez parte da Semana Luiz de Queiroz da ESALQ/USP e ocorreu no Anfiteatro da Engenharia da ESALQ.

O evento reuniu estudantes de graduação e pós-graduação, técnicos e produtores que debateram sobre as novas tecnologias do uso de sistemas de irrigação para aplicação de fertilizantes, defensivos, dejetos líquidos de animais. Tecnologias estas que vem ganhando espaço atualmente pelos benefícios que proporcionam, como otimização do sistema, reaproveitamento de água ou dejetos, aumento de produção, aumento da eficiência de fertilizantes, redução da movimentação e tráfego de máquinas, etc.
O simpósio iniciou com a palestra sobre Quimigação em Sistema Notliada, com o Professor Doutor da USP, Durval Dourado Neto, trazendo informações sobre aplicação de defensivos agrícolas através de pivô central, como calcular o volume de aplicação, a uniformidade de distribuição, distribuindo assim as caldas de forma adequada, sem aumentar a dosagem do defensivo.

Após, o Engenheiro Carlos Barth, apresentou a palestra sobre Injetores de Fertilizantes / Tempo de avanço, mostrando as técnicas e equipamentos atuais para a injeção de fertilizantes na irriogação, e o tempo que deve ser esperado até que todo o fertilizante esteja uniforme na água da irrigação.

A palestra Novas tecnologias para o manejo da fertirrigação com vinhaça, foi apresentada pelo Doutor Sérgio Antonio Veronez de Sousa, explicando as características da vinhaça para aplicação, como é realizado o transporte, distribuição e os depósitos.

O Professor Doutor da Unesp de Ilha Solteira, Fernando Braz Tangerino Hernandez, apresentou sobre a Viabilidade Econômica, onde foi proporcionado uma visão da situação nacional de necessidade de profissionais tecnificados  na área de irrigação para instruir agricultores e técnicos em um manejo de irrigação adequado, considerando a atual situação mundial de escassez de recursos hídricos e a importância das universidades na formação desses profissionais.

No segundo dia de simpósio, iniciamos com a palestra sobre Salinização, apresentada pelo Engenheiro Agronômo Mestre Osvaldo Nogueira de Souza Neto, na palestra foi mostrado o problema da aplicação excessiva de fertilizantes através da irrigação podendo causar o acúmulo de sais e como solução foram apresentadas estratégias de manejo da fertirrigação.

Após, Danilo Max Landim Rabelo, Engenheiro Agrônomo da UFV, apresentou a palestra Fertirrigação com dejetos líquidos (suínos, bovinos), na palestra foram mostrados diversos produtores que já vem utilizando os dejetos e os benefícios que foram encontrados com ele, a viabilidade econômica de seu uso, a espécie vegetal utilizada, como fazer o monitoramento da aplicação.

À tarde as palestras apresentadas abordaram o uso da fertirrigação em culturas como frutíferas e hortaliças. O Engenheiro Agrônomo Luís Milner apresentou a palestra Fertirrigação em Hortaliças. A palestra de fertirrigação em Frutíferas foi apresentada pelo Engenheiro Agronômo Raul Castro Carriello Rosa da Embrapa, o qual apresentou o potencial da fertirrigação no Nordeste Brasileiro e a importância do estudo de solos, tanto na parte química como física, para que a adubação ocorra de forma adequada e atenda as demandas das plantas, também foi apresentado diferentes adubos e sua correlação com a produtividade.

O II Simpósio de Irrigação teve a participação de aproximadamente 70 pessoas, sendo uma realização do Grupo de Práticas em Irrigação e Drenagem (GPID) e o Grupo de Estudos Luiz de Queiroz (GELQ) da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ/USP), em parceria com Fockink, NaanDanJain, Lindsay, Hotel i, Casa do Produtor Rural e Pecege – MBA.

As palestras disponíveis para download  encontram-se em: http://www.gelq.com.br/

2014-10-08 12.58.00 simpósio2gpidsimpósio

Projeto de Irrigação em Jardim Sensorial

No dia 07/11/14 o GPID inaugurou o sistema de irrigação por microaspersão juntamente com a inauguração do jardim sensorial na Escola Municipal de Ensino Infantil “Professor Elias Melo Ayres”.

O projeto faz parte do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docencia (PIBID), gerenciado pela CAPES, e consistiu na elaboração de um jardim onde fossem explorados os cinco sentidos humanos – olfato, paladar, tato, visão e audição. Todos os alunos e professores foram mobilizados para a execução do jardim sensorial, além de alunos do PIBID e do GPID.

Futuramente, neste mesmo jardim, a água da chuva será coletada para ser usada na irrigação num sistema totalmente automatizado, tornando-o mais sustentável.

Segue abaixo algumas imagens do jardim sensorial.

SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNGSAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG SAMSUNG